História

2020

Marfrig e ADM

2020

Joint venture entre Marfrig e Archer Daniels Midland (ADM), dando origem à PlantPlus Foods, empresa voltada à comercialização de produtos de base vegetal por meio de canais de varejo e das redes food service nas Américas do Sul e do Norte.

2019

Aquisição da Iowa Premium, nos EUA. Aumento da participação acionária na National Beef, de 51% para 81,73%. Aprovação de 13 plantas para exportação à China e investimentos em novas linhas de hambúrguer. Acordo de exclusividade com a norte-americana Archer Daniels Midland Company (ADM) para produzir produtos à base de proteína vegetal.

2018

Venda da Keystone Foods em linha com a estratégia de concentrar a atuação em proteína bovina. Aquisição do controle da National Beef, quarta maior processadora de carne bovina dos Estados Unidos e compra da Quickfood, na Argentina, líder local na produção de alimentos a partir da proteína bovina.

2017

Expansão da capacidade de operação na América do Sul, com reabertura de plantas e aumento na capacidade de processamento.

2016

Primeira empresa a exportar carne bovina in natura, a partir do Brasil, para os Estados Unidos.

2015

Marfrig Beef e a ONG Alianza del Pastizal lançam selo que visa reconhecer as propriedades rurais que conservam os campos nativos do bioma Pampa sul-americano. A Marfrig Uruguai começa a exportar para os EUA com o selo 'Grass-Fed Beef'.

2014

A fábrica da Pampeano (RS) recebe Grau A+ na avaliação da BRC Global Standards, padrão de controle de alimentos mais elevado reconhecido pela Global Food Safety Initiative (GFSI).

2013

Venda da Seara Brasil, divisão de aves, suínos e alimentos processados, como reflexo de estratégia que passou a se concentrar em proteína bovina.

2012

A planta em Tangará da Serra (MT) se torna a primeira unidade de processamento de carne no Brasil a receber o selo Rainforest Alliance Certified™ que comprova a procedência da matéria-prima em conformidade com as normas de conservação ambiental e Direitos Humanos.

2011

Criação da Marfrig Beef como divisão que concentra as operações de bovinos e ovinos no Brasil, na Argentina, no Uruguai e no Chile.

2010

Compra de unidade de confinamento no Uruguai, atendendo demanda constante e fortalecendo todos os elos da cadeia produtiva no país. Aquisição da Keystone Foods, empresa norte-americana especializada em food service, com operações em 13 países.

2009

Primeira empresa de alimentos do mundo a assumir compromisso público com o Greenpeace para compra de gado proveniente da Amazônia legal. Também passa a operar mais 13 unidades, o que amplia as suas capacidades de processamento em até 8,8 mil cabeças de gado por dia. Aquisição da Seara, empresa do segmento de aves, suínos e produtos de alto valor agregado

2008

Ingresso no segmento de avicultura, com a compra da Penapaulo e DaGranja Agroindustrial. Consolidação do processo de internacionalização com a compra da MoyPark, uma das principais produtoras de carne de aves da Europa, sediada na Irlanda do Norte.

2007

Oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) no Brasil, dando início à negociação das ações no Novo Mercado da B3, segmento de listagem que reúne empresas que se comprometem a adotar práticas diferenciadas de Governança Corporativa.

2006 e 2007

No Brasil, a Marfrig inicia operação nas unidades de processamento em Mineiros (GO), Chupinguaia (RO), São Gabriel (RS) e Porto Murtinho (MS), além de outra unidade em Promissão (SP) e da marca Pampeano. Também estende atuação para outros países da América Latina com a aquisição do Frigorífico Tacuarembó S.A., da Inaler S.A. e do Frigorífico La Caballada no Uruguai; do Frigorífico Patagônia S.A. e da Quinto Cuarto S.A. no Chile; e da Breeders and Packers, da Mirab S.A. e da marca de hambúrgueres Paty na Argentina.

2005

A Empresa se torna signatária do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo, que deu origem a um instituto de mesmo nome ao qual a Marfrig mantém-se associada a fim de promover condições dignas de trabalho em toda a cadeia produtiva.

Início dos anos 2000

A Marfrig passa a operar unidades de processamento no Brasil: Bataguassu(MS), Promissão(SP), Paranatinga(MT) e Tangará da Serra(MT). Anos mais tarde, inicia atividades de exportação.